Imagem capa - Tudo o que você sempre quis saber sobre o Projeto Sinta-se Linda por Vitor Hugo Nercolini Rebellato

Tudo o que você sempre quis saber sobre o Projeto Sinta-se Linda

Hoje é um dia muito especial: fazem três anos que o Projeto Sinta-se Linda foi lançado! 

Como comemoração, escrevi esse post. Nele vou contar um pouquinho deste projeto que me lançou como fotógrafo de retratos femininos na região do meio oeste catarinense. Conto como surgiu a ideia, como foi executado, as dificuldades e os resultados. Confere comigo!

 

A origem

Como já escrevi em outros posts, a fotografia feminina sempre despertou minha atenção.

O ano é 2015. Há pelo menos dois anos eu já me arriscava nos retratos de moças que eu conhecia. Tudo, porém, tinha um caráter meio experimental: eu apenas tinha uma câmera, chamava pessoas de confiança para fotografar e clicava.

Como era de se esperar, nesses "ensaios de ensaios", o resultado que eu tinha na câmera era muito aquém daquele que eu estava imaginando.

Eu me dei conta que o que eu precisava fazer era muito mais complexo do que pegar uma câmera e sair clicando mulheres: necessitava estudar sobre.




E foi isso que eu fiz. Li tudo o que estava disponível na internet sobre fotografia de mulheres, assisti todos os vídeos do YouTube, comprei livros e cursos - e, muito importante, vi milhares de revistas de moda e beleza... Construí referenciais, verdadeiros instrumentos que me levaram a ter ideias de criação e ao domínio teórico de tudo o que era necessário para fazer essas fotos acontecer.

Eu me sentia pronto para aplicar na prática esse acúmulo de conhecimento e o Sinta-se Linda foi a forma que eu encontrei.

 

O conceito

Em meu processo de estudo sobre a fotografia feminina e seu universo, conheci inúmeros trabalhos de diferentes profissionais e estilos. Percebi que os retratos que me causavam maior impacto tinham como característica a simplicidade, a atemporalidade e a fineza de fundos monocromáticos de estúdio. Decidi, então, que meu projeto perseguiria exatamente este ideal: criar retratos atemporais de mulheres tendo como plano de fundo apenas o estúdio. Todo o foco seria a beleza e a personalidade da mulher fotografada.




Na região onde eu morava, não havia nenhum projeto com este mesma pretensão. 

A fotografia feminina era muito relacionada à ensaios externos, em construções ou em meio a natureza. O Sinta-se Linda teve, então, um grande ineditismo para a localidade, o que faz dele um projeto muito mais especial e reconhecido.

 

O nome 

Bom... Eu tinha um projeto e seu ideal. Já estava na prática, mas não tinha um nome para ele. Talvez fosse uma limitação minha, mas não conseguia encontrar um título que expressasse o que esse projeto representava para mim. No feedback dos primeiros ensaios, ao questionar as modelos sobre como se sentiam com as fotos, recebi como resposta a por inúmeras vezes: "Ah, eu me senti linda!". 

Pensei: “Poxa, se tem que ser isso... Sinta-se linda!”. Esse nome representa o encontro perfeito daquilo que eu idealizava com o que as mulheres percebiam ao serem registradas. 

 

A execução

Planejei o Sinta-se linda até por volta de setembro de 2015 e, no mesmo mês, comecei a captura das imagens - etapa que durou até janeiro de 2016. Somente aí fiz a seleção das fotos: quando já estava tudo capturado, porque eu queria uma linearidade nas fotos selecionadas, sem torná-las repetitivas.




Fotografei 20 mulheres, gerando mais de 8000 imagens no total... Pense como foi difícil escolher isso!

A locação, como já disse, foi meu próprio estúdio. Usei, como iluminadores, dois flashes mako, uma câmera Canon 5D Mark II e as lentes 35mm, 50mm, 85mm e uma 70-200.

 

As dificuldades

Tive muitas dificuldades. A primeira delas foi para encontrar mulheres que se dispusessem a fotografar. Eu era um profissional desconhecido, com muitas ideias mas sem material para apresentar. Tudo isso deixava as mulheres inseguras em aceitar o convite para compor o projeto. Também não conhecia modelos profissionais com quem eu pudesse contar na região. Recebi incontáveis nãos a ponto de desanimar mesmo (aquele velho paradoxo: precisava de modelos para criar um material, mas precisava de material para atrair as modelos). Minha solução foi, em um primeiro momento, fotografar amigas a fim de juntar mais material para apresentar para outras mulheres.  

O projeto ganhou corpo, comecei a postar os bastidores dos ensaios e mostrei como que é realizar um ensaio comigo.  Assim, as abordagens também se tornavam mais tranquilas e o número de respostas positivas aumentou.

Outra dificuldade grande foi aprender a dirigir a modelo. É muito diferente ver uma foto incrível prontinha em uma revista do que fazê-la na vida real. A primeira coisa que percebi é que poses pré-fabricadas não funcionam. É preciso conduzir a modelo até que você alcance o resultado desejado. Ainda estudo muito direção de modelos e considero um ponto que ainda posso avançar na minha prática atual, mas, certamente, já percorri um longo caminho desde minhas primeiras experiências no Sinta-se linda.

Outro ponto interessante é que todas as fotos foram feitas em estúdio. Já falei aqui nesse post sobre o tamanho do meu estúdio e suas limitações. Foi no Sinta-se Linda que aprendi a trabalhar toda potencialidade do espaço - e isso foi conquistado com muitas tentativas.




O lançamento

Eu decidi que não iria simplesmente postar as fotos nas redes sociais em um dia qualquer. Eu queria parar a internet - e foi isso que eu fiz há exatos três anos! Fotografias femininas no estilo que eu vinha fazendo eram algo completamente novo na região e já estava atraindo muita atenção através das redes sociais. Ao longo da execução, postei making-ofs enquanto fazia os ensaios, além de chamadas para o dia que defini como lançamento do projeto.




Criei, desta forma, um clima de muita expectativa em região... Não divulguei nenhuma foto oficial antes do dia agendado.

As moças que foram minhas modelos receberam as fotos somente na manhã do lançamento. Foi um frisson. Todas, que estavam super ansiosas, postaram fotos na mesma hora. Meu Facebook (na época, mais importante que o Instagram) lotou de likes, comentários e mensagens de mulheres que também queriam ser fotografadas por mim. Foi fantástico e melhor do que as expectativas!

 

A exposição




Aprecio muito exposições, especialmente de fotografias.

Na primeira oportunidade que tive, transformei em realidade o sonho de ter uma exposição para chamar de minha.

Em parceria com a Prefeitura Municipal de Videira, lançamos a Sinta-se Linda - A Exposição. Composta por 21 fotografias inéditas das modelos do projeto, a exposição foi inaugurada no dia 8 de março de 2016, Dia Internacional da Mulher. Foi lindo e emocionante prestar essa homenagem às mulheres por meio dessa arte que eu domino e amo. 





Uma avaliação de todo processo

O Sinta-se Linda transformou-se ao longo de seu processo. A cada ensaio, a cada mulher fotografada, novas potencialidades eram reveladas e tudo aquilo que antes morava apenas na minha cabeça, foi se tornando palpável. Surgiam desafios - coisas que eu planejava não eram possíveis de serem realizadas. Então eu era obrigado a criar. Trabalhar com o imprevisto nos faz maiores, no torna preparados para todas as situações. Por isso considero o Sinta-se Linda um grande laboratório que me ensinou muito!




E este projeto foi mágico, pois transformou a minha própria prática e também a visão que Videira e região têm a respeito da fotografia feminina. Mas nada disso é mais importante que a transformação de cada mulher que viveu essa experiência: participar do meu projeto muda a forma que você se vê. É impossível descrever, é preciso sentir-se linda!